Notas Avulsas

quinta-feira, agosto 31, 2006

Lamartine, hinos, e artefatos afins...

Há anos que isso vinha me chamando a atenção.

E quem não se lembrar de quem foi Lamartine Babo, que escreveu os hinos dos principais clubes de futebol do Rio, por favor que levantem a mão.

América, Botafogo, Flamengo, Fluminense. Do Vasco não tenho certeza (leitores vascaínos que me instruam). Mas desconfio que sim.

E o “ponto” é o seguinte: todos os hinos do Lamartine são musicados em tom maior, marchinhas triunfais com letras positivas, carregadas com a alegria da vitória e sempre escalonadas em dimensão tocantemente pessoal, sem desbordarem ou desdobrarem em triunfalismos agressivos de arrogância imperial.

Menos o do Fluminense, que atinge algo bem aquém do limite do lado de lá.

O tom é menor; o tempo quase de uma marcha fúnebre. E o teor da letra traduz um certo estado de subjeção (ou obstinação) que mais me lembra de bizarrices sado-masoquistas, bondage and domination, (ok: nada contra) do que do esporte unido e forte que a letra ostensivamente propala:

Fascina pela sua disciplina, o Fluminense me domina, eu tenho amor ao Tricolor.

Eu hein?

Agora me digam qual a contradição entre isso e o rodriguiano “bate mais que eu gamo”?

1 Comments:

  • Então vcs tricolores devem estar perdidamente apaixonados...do jeito que estão apanhando!!!! Bjnhos.

    By Anonymous Beatriz, at 1/9/06 02:04  

Postar um comentário

Links to this post:

Criar um link

<< Home